Cais do Sodré Funk Connection

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 23h00

O título do último disco dos Cais Sodré Funk Connection, editado em 2016, “Soul, Sweat & Cut the Crap”, diz-nos praticamente tudo o que importa saber sobre a música que fazem: vem da alma, exige energia e entrega, e é honesta e directa. Sem truques, sem artifícios, sem efeitos especiais ou enquadramentos artificiais de modas vazias.

O som dos Cais Sodré Funk Connection é, obviamente, canalizado através dos grandes: de James Brown e Aretha Franklin, de Marvin Gaye e Etta James, reis e raínhas que ainda hoje são referências incontestadas onde quer que se valorize o poder da alma acima do ruído das luzes. Uma linhagem nobre que sustentou revoluções como o Civil Rights Movement e meteu um presidente na Casa Branca e que hoje é defendida por verdadeiros combatentes do amor como Sharon Jones ou Charles Bradley. A música dos Cais Sodré Funk Connection é da mesma estirpe, tem o mesmo nervo. Como o jazz ou o rock and roll, que se tornaram linguagens universais e globalizadas, também a soul por aqui faz sentido. Também se canta nas igrejas de cá. E igreja pode ser um sítio qualquer onde se expõe a alma. Durante muito tempo os Cais Sodré Funk Connection fizeram das noites de quinta feira momento de peregrinação especial para uma cerimónia de ritmo no Musicbox. Foi aí que conquistaram fãs. E dos palcos para o estúdio foi um pequeno passo, de dança.

João Gomes, Francisco Rebelo, David Pessoa, João Cabrita, José Raminhos, Miguel Marques e Rui Alves são os inexcedíveis instrumentistas de serviço, poços de bom gosto em que sabe bem mergulhar. À frente, a classe pura de Silk e Tamin que injectam alma em cada tema como se o Cais Sodré fosse ali algures ao lado de Memphis, um sítio obrigatório para passar a caminho dos estúdios da Stax.

Música assim não se prende ao tempo, só à alma de quem a ela se entrega.