King John

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 21h30
  • King John Foto Vera Marmelo
  • King John Foto Carlos Melo
  • King John Foto Rui Soares

António Alves é originário da Ilha de São Miguel, nos Açores. O passado guarda-lhe uma vida num barco, uma carreira como jogador de futebol e nos últimos dois anos, uma ascensão vertiginosa na cena musical açoriana passando em todos os principais palcos do paraíso vulcânico: Festival Tremor, Monteverde Festival, Maré de Agosto o Coliseu Micaelense. Em 2016 apresentou-se também em Lisboa, Porto, Londres à boleia da tour do Festival Tremor, e aproveitou o embalo para se instalar em Lisboa.

Em outubro, lançou o EP “ Blues Better Than Therapy” . Uma colecção de 5 canções de um rock que cheira a folk, com nariz de lobo e coração de homem à beira de um ataque de nervos. Há mel e socos debaixo da cintura, pisadelas em Donald Trump, dedicatórias de amor e uma capa com asas de anjo. Veio António Alves dizer que tem a América no sangue, e que o blues é a melhor terapia para exorcizar dramas, falar sobre o mundo e inscrever o que importa do presente. Veio afirmar também que a nova música açoriana está de saúde e recomenda-se.

Trio EDNA

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 21h30

O Trio EDNA é composto por Daniel Lemos, Francisco Vicente e Márcia Trabulo.  São 3 vozes que em harmonias perfeitas criam versões cativantes dos temas que marcaram a nossa vida.

Em 2016, estas 3 vozes decidem juntar-se para participar no programa RTP – The Voice Portugal onde chegam à fase final apadrinhados pela Áurea. A cumplicidade entre as vozes é notória e não vem de agora. O trio  faz parte do grupo coral OTE, composto por 8 solistas, desde 2013

Em 2017, depois do enorme sucesso no programa televisivo, os EDNA decidem apostar no projeto para dar resposta à procura para espetáculos. Ficaram conhecidos pelos arranjos vocais fortes e característicos em que as suas vozes dialogam entre si e se unem numa musicalidade peculiar, pouco explorada em Portugal.

A título de curiosidade, na carreira musical destes 3 jovens destacam-se as formações na Escola de Jazz Hot Club Portugal em voz e instrumentos e a participação no Saint Dominics Gospel Choir que gravou o álbum Contramão de Pedro Abrunhosa.

Jacarés

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 22h30

Jacarés é uma banda Lisboeta formada por amigos e residente nos Nirvana Studios, que tem o firme objetivo de criar música cantada em português. Falam de forma descontraída da vida da gente, com musicalidades fortes e harmoniosas em cama de ritmos cativantes, claramente influenciados pelo Funk, Soul, Urban Rythms e, claro, a Música Portuguesa e Latina.

A banda conta já com uma vasta experiência de atuações ao vivo, das quais se destaca o concerto no “NOS Alive 2014”, em que atuou no palco Heineken, com excelente acolhimento do público presente e da imprensa da especialidade. Em 2016, foi uma das 5 finalistas do EDP Live Bands, entre mais de 800 bandas nacionais a concurso.

O single de estreia, “Já A Seguir”, lançado em Agosto 2016, fez parte da banda sonora e do álbum da novela juvenil “Massa Fresca”, da TVI, e está disponível nas plataformas digitais e nas lojas. O videoclip do tema “Já A Seguir” fez e continua a fazer sucesso no Youtube e no canal oficial da banda.

Foi lançado em Junho de 2017, o segundo single, “Louco Pela Vida”, que tem tocado em rádios espalhadas pelo pais e levou a banda a alguns programas de Tv, como é o exemplo do “Juntos à tarde”, da Sic. O “Louco pela vida”, está disponível nas plataformas digitais e também no canal oficial da Banda.

Os Jacarés têm trabalhado na produção do seu primeiro trabalho discográfico, que estará pronto muito em breve.

As suas atuações são caracterizadas pela energia, boa disposição e vontade de dançar. Estes são os seus pontos fortes, e é no palco que os Jacarés se tornam “verdadeiros animais”.

LOT

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 21h30

LOT é um projecto que funde canções introspectivas e românticas com uma electrónica escura e forte. Baseado em Lisboa, o trio Pedro Sacchetti, José Evangelista e Rui Rodrigues lançou o primeiro single em 2016. Apesar da curta existência, já pisaram palcos como o Coliseu dos Recreios, Casa da Música e NOS Alive. LOT fazem também parte da music boutique SILVER SIDE (Califórnia, USA) ao lado de artistas como Tricky, The Herbaliser, The Breakestra e Ziggy Marley. Depois de em abril de 2017 terem lançado o primeiro álbum “Mother Board” acompanhado dos singles “Take a Look” e “Staying in Tonight, aos que se juntou um rework da “All I Need” dos míticos AIR, preparam-se agora para lançar novo single no final do ano, e prometem novos temas para 2018.

Exposição Permanente Museu Coleção Berardo (1960-2010)

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : , ,

A exposição agrupa os mais significativos movimentos artísticos das neovanguardas, como sejam o Minimalismo, o Conceptualismo, o Pós-minimalismo, a Land Art ou a Arte Povera, entre outros. No curso destes movimentos o objeto artístico sofreu uma profunda reconfiguração das suas categorias tradicionais, pelo que a sua manifestação implicou a realização de pressupostos apenas vislumbrados pelas vanguardas históricas e um refazer no depois desse tempo.

O percurso inicia-se com as experiências minimalistas que reclamaram o primado da experiência percetiva sobre o conhecimento linguístico do objeto artístico, a que segue um aprofundamento do sensorialismo, já não restringido ao âmbito da visão, mas extensível aos movimentos do corpo do observador.

O papel da linguagem verbal e da sua relação com a imagem, geralmente fotográfica, que o conceptualismo interrogou, define uma outra ordem para o objeto artístico, que perdeu a sua relação com o fazer artesanal e se posicionou como ideia do que pode ser enquanto arte. Se a arte minimal havia valorizado o objeto produzido industrialmente, a Arte Povera italiana veio confrontar essa determinação tecnológica com o valor das substâncias naturais e a sua memória poética, numa dialética crítica.

Por seu turno, a Land Art veio alargar o campo de atuação artística para a própria paisagem e da paisagem para o museu. A emergência do corpo como meio da realização artística preocupou vários artistas no início da década de 1970 e os seus trabalhos são documentos de ações artísticas que perduram a partir destes testemunhos. A par destes são apresentadas a emergência da prática do vídeo, com a diversidade de posicionamentos que lhe dão origem, e a nova fotografia alemã, sistemática e documento dos monumentos de uma ordem económica oriunda de uma cultura que havia rejeitado o objeto artístico.

Neste panorama de duas décadas intensas cruzam-se alguns dos principais posicionamentos artísticos do ocidente durante o terceiro quartel do século XX e a primeira década do século XXI.

Pedro Lapa
Curador

Do Paleolítico à Época Medieval – Exposição permanente

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : , ,

O acervo do Museu reúne as colecções iniciais do fundador e de Estácio da Veiga. A estas somaram-se numerosas outras de trabalhos arqueológicos realizados sob tutela do Museu, bem como doações ou legados, a exemplo de Bustorff Silva, Luís Bramão, Samuel Levy.
Foram ainda feitas incorporações a partir de outros departamentos do Estado, como as colecções de arqueologia da antiga Casa Real Portuguesa, após a implantação da República; colecções de arqueologia do antigo Museu de Belas Artes, quando se criou o actual Museu Nacional de Arte Antiga, entre outros.

LOULÉ. Territórios, Memórias e Identidades

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : , ,

Loulé, no sul de Portugal, é o mais extenso concelho do Algarve, que cruza de norte a sul e da serra ao mar. Dotado de bons recursos naturais, foi habitado pelo Homem ao longo dos tempos.

A história da Arqueologia de Loulé remonta ao trabalho pioneiro de Estácio da Veiga (1828-1891), que reuniu uma coleção para constituir o Museu Arqueológico do Algarve, mas que foi incorporada no então Museu Etnográfico Português em 1894. Assim, o património de Loulé ficou para sempre ligado ao Museu Nacional de Arqueologia.

Entre o século XX e o presente, a Arqueologia foi uma prática amadurecida no território louletano e no seu museu, pela ação de vários arqueólogos envolvidos nesta exposição.

São estas as razões que unem o Museu Nacional de Arqueologia e o Museu Municipal de Loulé na organização desta mostra, inscrita numa linha de colaboração prosseguida pelo Museu Nacional com as autarquias há duas décadas.

Esta exposição assume-se como o estado da Arte da investigação arqueológica do concelho de Loulé e conta a história das comunidades que o constituíram entre a Pré-História e a Idade Média, assente nos vestígios arqueológicos e nas fontes documentais conservados nas instituições que laboriosamente constroem as memórias e as identidades de Loulé.

Quase metade do concelho de Loulé é um “mar de serros” em xisto e aí existem muitos segredos que agora se vão revelar... "Vá lá ver!"Exposição “Loulé: Territórios, Memórias e Identidades”21 de Junho – 18h30Museu Nacional de Arqueologia Museu Municipal de Loulé#LTMI #MNArqueologia #museuloule #loule2017 #algarve #lisboa#património #heritage #patrimoine #arqueologia #archaeology #archéologie

Publicado por Museu Nacional de Arqueologia em Sábado, 17 de Junho de 2017

História do Mosteiro dos Jerónimos

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : ,

O Mosteiro dos Jerónimos é Monumento Nacional desde 1907 e, em 1983, a UNESCO classificou-o como Património da Humanidade.

Perto do local onde o Infante D. Henrique, em meados do séc. XV, mandou edificar uma igreja sob a invocação de Sta. Maria de Belém, o rei D. Manuel I construiu um grande Mosteiro. Para perpetuar a memória do Infante, pela sua grande devoção a Nossa Senhora e crença em S. Jerónimo, D. Manuel I decidiu fundar em 1496, o Mosteiro de Sta. Maria de Belém, perto da cidade de Lisboa, junto ao rio Tejo.
Doado aos monges da Ordem de S. Jerónimo, é hoje vulgarmente conhecido por Mosteiro dos Jerónimos.

Panteão da Dinastia de Aviz-Beja a Igreja acolhe no séc. XIX sepulturas de heróis e poetas: Vasco da Gama e Luís de Camões.

Hoje é admirado como o expoente máximo da arquitetura manuelina do séc. XVI, e parte integrante da cultura e identidade portuguesas.

O Mosteiro dos Jerónimos é desde 1983 Património da Humanidade da UNESCO.
Notável obra de arquitetura do séc. XVI é parte integrante da cultura e identidade portuguesas.

Há Fogo! Há Fogo! Acudam, acudam! – Exposição permanente

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : , ,

Cidade antiga e populosa, Lisboa foi sempre sujeita a incêndios. Por isso, são já medievais as iniciativas para assegurar a prevenção e o combate dos sinistros enquanto atividade indispensável à cidade, ao seu património e ao bem-estar dos seus habitantes.

Detendo desde então a autoridade sobre a gestão deste serviço, o município de Lisboa não mais deixou de a exercer. Mas, é com a aquisição das primeiras bombas hidráulicas transportadas por homens que se inaugura a aventura das prodigiosas máquinas de extinção de incêndios e salvamento de pessoas e se progride no sentido de uma organização cada vez mais especializada.

Com balizas temporais que vão dos finais do século XVIII a inícios do século XX, esta exposição, reúne algumas dessas máquinas e outros objetos, para contar a história da evolução tecnológica na prestação do socorro a Lisboa.

São peças que pertencem às coleções do Museu do Regimento de Sapadores Bombeiros da Câmara Municipal de Lisboa, com forte valor identitário para os bombeiros, e com grande valor patrimonial para a cidade de Lisboa, sendo a sua salvaguarda e divulgação da maior importância.

Em exposição no Picadeiro Real (antigo edifício do Museu dos Coches) até Abril 2017.

A visita a esta exposição não acresce ao custo normal do bilhete de ingresso no Picadeiro Real.