Meadows

Band :
Title : 16 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 21h30

Featured on the Netflix show „13 Reasons Why“ this guy and his music is currently being brought into millions of living rooms all around the world. And he gets back not alone thousands of Shazams per day but also very warm and enthusiastic feedback from new fans in the US, Canada, Brazil, Australia, the UK and many more. Let me introduce to you: Meadows. The Only Boy Awake.

Imagine Glen Hansard would wake up as The Tallest Man On Earth. Born and raised in the small town Söderköping on the east coast of Sweden, he travelled around the world for the last couple of years, collecting impressions, experiences and songs which turned him into one of the most interesting and nicest guys you can possibly think of.

In the end of 2016 Meadows released his debut EP “The Only Boy Awake” on What We Call Records which is the new label by Matthias Kranz and Henning Sommer (Wilhelm Tell Me). They met him at SPOT Festival 2015 in Aarhus, Denmark and fell in love with his music instantly. Since Meadows became a good friend of theirs and he was looking for a way to release his songs in Germany, they signed him as their first act not thinking twice and started working. Now „The Only Boy Awake“ is ready to hit the stores world wide. Enjoy Meadows. We already do!

Sean Riley & The Slowriders

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 23h

Tudo começou em 2007 com a edição de Farewell, onze belíssimas canções que projectaram Sean Riley & The Slowriders como autores de uma das melhores estreias discográficas da história da música produzida em Portugal.

A relevância dada a Farewell e consequente exposição mediática da banda elevaram a fasquia para o segundo disco – e a banda respondeu com um inspirado Only Time Will Tell.

Aclamado pela crítica, sustentado com grandes prestações ao vivo, caso do sucesso alcançado nos festivais de Paredes de Coura e Alive, e com dois discos editados no Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo) pela Sonic Rendezvous.

Seguiu-se a edição nacional de “It’s Been A Long Night” um disco cheio de luz em que o grupo se permitiu absorver todas as referências que povoam o seu imaginário artístico.

Depois de 3 anos afastados dos palcos para prosseguirem projectos paralelos (como no caso de Afonso Rodrigues com Keep Razors Sharp), 2015 marca o regresso aos palcos e 2016 o regresso aos discos de originais, com o lançamento do álbum homónimo Sean Riley & The Slowriders”. Dili, Greetings e Gipsy Eyes são os singles de apresentação deste álbum.

King John

Band :
Title : 15 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 21h30
  • King John Foto Vera Marmelo
  • King John Foto Carlos Melo
  • King John Foto Rui Soares

António Alves é originário da Ilha de São Miguel, nos Açores. O passado guarda-lhe uma vida num barco, uma carreira como jogador de futebol e nos últimos dois anos, uma ascensão vertiginosa na cena musical açoriana passando em todos os principais palcos do paraíso vulcânico: Festival Tremor, Monteverde Festival, Maré de Agosto o Coliseu Micaelense. Em 2016 apresentou-se também em Lisboa, Porto, Londres à boleia da tour do Festival Tremor, e aproveitou o embalo para se instalar em Lisboa.

Em outubro, lançou o EP “ Blues Better Than Therapy” . Uma colecção de 5 canções de um rock que cheira a folk, com nariz de lobo e coração de homem à beira de um ataque de nervos. Há mel e socos debaixo da cintura, pisadelas em Donald Trump, dedicatórias de amor e uma capa com asas de anjo. Veio António Alves dizer que tem a América no sangue, e que o blues é a melhor terapia para exorcizar dramas, falar sobre o mundo e inscrever o que importa do presente. Veio afirmar também que a nova música açoriana está de saúde e recomenda-se.

Trêsporcento

Band :
Title : 16 de Setembro
Label : ,
Catalog ref. : 23h

A banda de rock Lisboeta Trêsporcento lançou em Abril de 2017 TERRITÓRIO DESCONHECIDO, o seu terceiro longa-duração de originais, seguindo-se a «Hora Extraordinária» (2011) e «Quadro» (2012), discos de onde saíram os temas «Elefantes Azuis», «Veludo» e «Cascatas», tendo estes sucedido ao EP de estreia «Trêsporcento» (2009). O disco foi produzido por Flak (Rádio Macau, Micro Audio Waves) e teve como principais singles «O Sonho» (várias semanas à frente do ranking de temas mais votados pelos ouvintes da Antena 3) e «Tempos Modernos».

A actividade de estúdio dos Trêsporcento não esteve parada durante este hiato de mais de quatro anos sem um álbum de originais: em 2014 a banda editou «Lotação 136», um álbum gravado ao vivo no Teatro Aberto, em Lisboa, e em 2015 lançou dois singles, «Homem Novo» e «Aguentem-se os Fracos», gravados entre Lisboa e Sidney. A edição deste dois singles serviu como balão de ensaio de um novo processo de composição e gravação da banda, que veio a dar origem a TERRITÓRIO DESCONHECIDO.

Gravado entre Junho de 2016 e Janeiro de 2017, o álbum marca também a primeira colaboração entre a banda e Flak, que, para além de produzir, gravou o disco no Estúdio do Olival. O processo de gravação bastante mais espaçado no tempo que o habitual nos Trêsporcento permitiu uma relação de cumplicidade entre a banda e Flak, que se envolveu de uma maneira decisiva no processo criativo do disco. Para além do trabalho de produção, Flak é também responsável por muitos dos arranjos em vários temas.

Do Paleolítico à Época Medieval – Exposição permanente

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : , ,

O acervo do Museu reúne as colecções iniciais do fundador e de Estácio da Veiga. A estas somaram-se numerosas outras de trabalhos arqueológicos realizados sob tutela do Museu, bem como doações ou legados, a exemplo de Bustorff Silva, Luís Bramão, Samuel Levy.
Foram ainda feitas incorporações a partir de outros departamentos do Estado, como as colecções de arqueologia da antiga Casa Real Portuguesa, após a implantação da República; colecções de arqueologia do antigo Museu de Belas Artes, quando se criou o actual Museu Nacional de Arte Antiga, entre outros.

LOULÉ. Territórios, Memórias e Identidades

Band :
Title : 15 e 16 de setembro
Label : , ,

Loulé, no sul de Portugal, é o mais extenso concelho do Algarve, que cruza de norte a sul e da serra ao mar. Dotado de bons recursos naturais, foi habitado pelo Homem ao longo dos tempos.

A história da Arqueologia de Loulé remonta ao trabalho pioneiro de Estácio da Veiga (1828-1891), que reuniu uma coleção para constituir o Museu Arqueológico do Algarve, mas que foi incorporada no então Museu Etnográfico Português em 1894. Assim, o património de Loulé ficou para sempre ligado ao Museu Nacional de Arqueologia.

Entre o século XX e o presente, a Arqueologia foi uma prática amadurecida no território louletano e no seu museu, pela ação de vários arqueólogos envolvidos nesta exposição.

São estas as razões que unem o Museu Nacional de Arqueologia e o Museu Municipal de Loulé na organização desta mostra, inscrita numa linha de colaboração prosseguida pelo Museu Nacional com as autarquias há duas décadas.

Esta exposição assume-se como o estado da Arte da investigação arqueológica do concelho de Loulé e conta a história das comunidades que o constituíram entre a Pré-História e a Idade Média, assente nos vestígios arqueológicos e nas fontes documentais conservados nas instituições que laboriosamente constroem as memórias e as identidades de Loulé.

Quase metade do concelho de Loulé é um “mar de serros” em xisto e aí existem muitos segredos que agora se vão revelar... "Vá lá ver!"Exposição “Loulé: Territórios, Memórias e Identidades”21 de Junho – 18h30Museu Nacional de Arqueologia Museu Municipal de Loulé#LTMI #MNArqueologia #museuloule #loule2017 #algarve #lisboa#património #heritage #patrimoine #arqueologia #archaeology #archéologie

Publicado por Museu Nacional de Arqueologia em Sábado, 17 de Junho de 2017